Você está aqui: Página Inicial / Multimídia / TURMA 2014 DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA AMBIENTAL DO IF FLUMINENSE REALIZA VISITA TÉCNICA AO DOMÍNIO DE ILHAS FLUVIAIS DO RIO PARAÍBA DO SUL E A OSCIP PROJETO PIABANHA

TURMA 2014 DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA AMBIENTAL DO IF FLUMINENSE REALIZA VISITA TÉCNICA AO DOMÍNIO DE ILHAS FLUVIAIS DO RIO PARAÍBA DO SUL E A OSCIP PROJETO PIABANHA

Nos dias 20 e 21 de junho, pesquisadores do Programa de Pós-graduação em Engenharia Ambiental do IF Fluminense (PPEA) realizaram uma visita técnica à Organização da Sociedade Civil “Projeto Piabanha”, sediada em Itaocara, no Noroeste Fluminense.O objetivo da visita foi retomar a colaboração com a equipe de pesquisadores da OSCIP, em prol da conservação do domínio das ilhas fluviais do Rio Paraíba do Sul (DIF). O DIF está localizado no Curso Médio Inferior do rio Paraíba do Sul - compreendendo os municípios de Cantagalo, Itaocara, Aperibé, Cambuci, São Fidélis e Santo Antonio de Pádua, do noroeste fluminense. A região apresenta uma formação geomorfológica exuberante e rara, sem falar na beleza das sua paisagem sendo de grande importância ecológica para a Bacia Hidrográfica do rio Paraíba do Sul; essa importância deve-se à imensa dependência humana aos serviços que ele provê e sua degradação tem potencialmente um enorme custo ambiental e socioeconômico. No curso Médio Inferior e Baixo Paraíba do Sul existem inúmeros pescadores artesanais que ainda vivem exclusivamente da pesca. A presença de pescadores esportivos também é expressiva na região e representa um grande potencial de geração de renda. A região apresentas problemas econômicos associados a baixos níveis de desenvolvimento, evidenciados pelo Índice de Desenvolvimento Humano. A interação entre o clima, o solo e a disponibilidade hídrica, manifesta-se por meio da mata ciliar que abriga espécies da fauna e da flora e apresenta uma rica biodiversidade, abrangendo praticamente todas as espécies de peixes de valor comercial desta bacia hidrográfica. Relativamente preservada, sua ictiofauna, é composta por 66 espécies, diferentemente dos demais domínios geomorfológicos do Paraíba do Sul, que se encontram exauridos pela pesca predatória, pelos inúmeros barramentos hidrelétricos, pela poluição industrial e doméstica, dentre outros fatores. a região do DIF, é utilizada como rota migratória de espécies de peixes reofílicas (migradoras), sendo esse comportamento um serviço ambiental de grande importância para a manutenção da pesca artesanal, bem como da manutenção dos estoques pesqueiros. Muitos pesquisadores consideram esse Domínio um dos maiores corredores de biodiversidade da Bacia Leste do rio Paraíba do Sul. Por isso, o DIF é objeto do Plano Nacional para a Conservação das Espécies Aquáticas Ameaçadas de Extinção (PAN Paraíba do Sul), coordenado pelo Instituto Chico Mendes para a Conservação da Biodiversidade (ICMBio/MMA), que conta com colaboração da equipe técnica do “Projeto Piabanha”, entre outros parceiros. Entre essas espécies destacam-se a piabanha e o surubim-do-Paraíba. A equipe do “Projeto Piabanha” realiza pesquisas para conservação de biodiversidade e de estoques pesqueiros do trecho do rio compreendido entre a Usina Hidrelétrica Ilha dos Pombos e a Cachoeira do Salto, empregando moderna tecnologia para reprodução ex-situ (fora do ambiente natural), desenvolvida em seu Centro Socioambiental, apoio de recursos do Comitê de Estudos para Integração do Rio Paraíba do Sul – CEIVAP. O trecho do Paraíba do Sul compreendido entre a Usina Hidrelétrica (UHE) Ilha dos Pombos e a foz é o último trecho desse rio sem a presença de empreendimentos hidrelétricos mantendo as características ambientais iniciais do mesmo. Nessa região, está em processo de licenciamento ambiental a UHE Itaocara, cujo reservatório abrangerá terras dos municípios de Itaocara, Aperibé, Santo Antonio de Pádua, Cantagalo e Carmo, no estado do Rio de Janeiro, e Pirapetinga, Estrela D’Alva e Volta Grande, em Minas Gerais). A proposta defendida pelos pesquisadores do “Projeto Piabanha” é a criação de uma Unidade de Conservação na região, o que além de conservar o território, os recursos hídricos e os estoques pesqueiros do baixo curso da bacia hidrográfica, geraria ICMS Ecológico para os municípios envolvidos. Destaca-se que, na última avaliação para distribuição do ICMS no estado do Rio de Janeiro, Itaocara não foi contemplado!
TURMA 2014 DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA AMBIENTAL DO IF FLUMINENSE REALIZA VISITA TÉCNICA AO DOMÍNIO DE ILHAS FLUVIAIS DO RIO PARAÍBA DO SUL E A OSCIP PROJETO PIABANHA
Imagem no tamanho completo: 115 KB | Visualizar imagem Visão Baixar imagem Download